Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Entendendo a Cromoterapia

 

Por Daiana Strada

 

Cromoterapia é uma ciência que usa as cores do espectro solar para restaurar o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções. Vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações, como Egito, Índia, Grécia, China; onde suas aplicações terapêuticas foram comprovadas por experimentações constantes e verificações de resultados.

Esta terapia, adormecida por milênios, ressurgiu como uma Medicina Energética ou Medicina Quântica. Foi reconhecida como Terapia Alternativa em 1976 pela Organização Mundial da Saúde, e, em 1983, pela mesma Organização, foi ratificado este reconhecimento. (BALZANO, 2008).

A Cromoterapia não procura curar os sintomas, mas sim, interferir nas causas, promovendo o equilíbrio físico-energético, propiciando uma melhora do estado geral do interagente. No tratamento cromoterápico, podemos utilizar a própria luz do espectro solar, lâmpadas coloridas, alimentação natural, mentalização das cores e ainda contato com a natureza. (MONTEIRO e SILVA)

Mas de que forma as cores agem no nosso corpo?

Antes de entender como a Cromoterapia funciona é necessário esclarecer que nosso corpo, segundo a física quântica e einsteiniana é constituído por uma forma de energia vibratória que ora se comporta como matéria, ora como energia. As diferentes vibrações energéticas emanadas pelo nosso corpo possibilitam diagnosticar e tratar diversos desequilíbrios, mesmo aqueles que ainda não se manifestaram na matéria.

Wilhelm Reich, psiquiatra austríaco, também pesquisou sobre a Energia Humana e demonstrou a bioenergética ou a energia da vida. E muito antes, Paracelso (1493-1542) afirmava que o estado de saúde era o equilíbrio das energias do indivíduo, e que a doença era o desequilíbrio dessas energias.(GERBER, 2002).

Este corpo energético teve sua existência cientifica evidenciada através da pesquisa do russo Semyon D. Kirlian, que criou a fotografia Kirlian, com capacidade de fotografar o halo de energia que circunda a periferia do corpo físico, também conhecida como Aura. Desta forma, mostrou-se que o corpo etérico ou energético se comunica com a matéria e as células do corpo físico, que têm base elétrica, e esta comunicação é feita, principalmente, pelos meridianos (GERBER, 2002). Quando o fluxo de energia é perturbado em qualquer região, e o corpo não consegue restabelecer este fluxo, surgem as “doenças”. (BALZANO, 2008). As descobertas de Fritz Popp sobre os biofótons ou pacotes de luz que as células do nosso corpo emitem que parecem estar na freqüência de radiação ultravioleta e que fazem parte da comunicação do interior do nosso corpo evidenciam a existência dos meridianos. (PAGNAMENTA, 2003).
Portanto, nosso corpo, formado de radiações, sofrerá as influências de outras radiações, como a das cores. Estas influências eletromagnéticas podem ser absorvidas através da pele como estímulos para a auto cura.

E de acordo com a Física, cada cor é uma faixa de radiação eletromagnética, tendo um comprimento de onda e freqüência específica. Sendo assim, agirá de maneira diferenciada sobre o organismo. (PAGNAMENTA, 2003).

O pesquisador Theo Gimbel verificou que a luz azul reduz a pressão sanguínea, alivia ataque de asma e combate a insônia, criando um estado de relaxamento. Já a luz vermelha eleva a pressão e deixa a pessoa mais ativa. A cor laranja é útil para o tratamento de depressão e a verde é benéfica para casos de câncer. Enquanto a cor turquesa fortalece o sistema imunológico e a amarela alivia os sintomas da artrite. (WILLS, 2006)

No estudo dos efeitos terapêuticos de determinadas cores em áreas específicas do corpo, temos os médicos Ghadiali e Babbitt, pioneiros no tratamento com cores e luzes, John Ott, Mac Naughton e Niels Finsen, este último ganhador do Prêmio Nobel, em 1903 pelo tratamento de tuberculose através da aplicação de luzes coloridas. (BALZANO, 2008)

Mais recentemente, destacamos o médico naturopata alemão Peter Mandel que tem realizado pesquisas na aplicação de cores em acupontos, desenvolvendo a chamada Cromopuntura e a Medicina Esogética. A Cromopuntura pode ser considerada uma vertente da Cromoterapia, mas com algumas diferenças. No próximo mês, falaremos mais a respeito das pesquisas de Mandel e de como a Medicina Esogética funciona.

 

Alguns autores indicados:

BALZANO, O. Cromoterapia: Medicina Quântica. São Paulo, 2008. Material não publicado.

GERBER, R. Um Guia Prático de Medicina Vibracional. São Paulo: Ed. Cultrix, 2002.

PAGNAMENTA, Dr. Med. N. Cromoterapia para crianças: o caminho da cura. São Paulo: Ed. Madras, 2003.

SILVA, R. C. da; MONTEIRO, C. F. Cromoterapia: um importante recurso terapêutico para a terapia ocupacional. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2006/inic/inic/03/Sa%FAde%20inic%20X008.pdf. Acessado no dia 13 de julho de 2010.

WILLS, P. Manual de Reflexologia e Cromoterapia. São Paulo: Ed. Pensamento, 2006.

 

Daiana Strada é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

(Crédito da imagem: universointegral.com.br)

Anúncios

Uma resposta

  1. Amauri

    Olá pessoa!
    Adorei teu texto.
    Abraço, até mais! (escreva mais, adorei! o site já está nos meus favoritos)

    17/08/2010 às 22:34

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s