Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Arquivo para fevereiro, 2011

Quantec

 

Por Helge Detlev Pantzier

 

HISTÓRICO

O estudo da radiônica começou com o Dr. Albert Abrams, na década de 20 do século passado. Pesquisador e professor da Cooper Medical College em São Francisco, expert em neurologia, vice-presidente da Sociedade Médica da Califórnia e presidente da Sociedade Cirúrgica de São Francisco. Por seus méritos colecionou inúmeros admiradores e também poderosos defratores.

Deve-se a ele a descoberta de que “uma doença é um desequilíbrio energético, sendo este desequilíbrio passível de ser detectado, isto ocorre por um fenômeno de ressonância”.

Os estudos foram continuados na Europa e Estados Unidos, merecendo especial destaque a Dra. Ruth Drohn. Cabe mencionar ainda o Dr. Thomas Golen Hieronymus, que trabalhou para a NASA, no projeto Apollo XI. Merecem destaque ainda as pesquisas de Malcom Rae e George de La Warr.

Estudos mais recentes de David Tansley modernizaram o diagnóstico criando uma tecnologia baseada em conceitos energéticos (vibracionais) e não apenas orgânicos.

 

O QUANTEC

O QUANTEC é um equipamento altamente sofisticado, resultado de 30 anos de pesquisas. Ele analisa as frequências vibracionais do cliente (pessoas, animais, plantas, ambientes) e, com base em testemunhos, identifica disfunções no corpo físico, emocional, mental e etérico.

De acordo com a física moderna e a física quântica em especial, tudo é vibração e movimento. É cientificamente aceito que todos os corpos emitem vibrações em forma de ondas (freqüências próprias) que nos rodeiam o tempo todo e de forma contínua, no corpo físico, no cérebro e no sistema nervoso, interferindo no nosso estado geral de saúde.

Vários são os tratamentos terapêuticos atualmente reconhecidos que trabalham com energia e vibrações. São alguns deles: a Acupuntura, o Reiki, o Feng-Shui, a Massagem, a Radiestesia, os Florais, a Homeopatia, a Foto Kirlian e o QUANTEC.

Segundo esses conceitos, não somos apenas o resultado daquilo que comemos, bebemos, respiramos e da nossa genética, mas também o resultado de tudo aquilo que está em nós, como nossas raivas, medos, ansiedades, entre outros.

 

FUNCIONAMENTO

O Quantec colhe primeiramente as informações básicas do cliente. A seguir prepara e escanea um testemunho que pode ser baseado numa fotografia digital.

O Quantec então compara as freqüências do cliente com as 210 mil frequências harmonizadoras do seu banco de dados.

A seguir propõe um tratamento composto da emissão de vibrações em curtos intervalos que se repetem diversas vezes durante o dia num período de três meses.

Como todas as pessoas, animais, plantas e ambientes possuem uma freqüência única, as emissões serão dirigidas apenas e especificamente ao seu destinatário.

A emissão se faz por ressonância de forma semelhante a que ocorre com as emissões de rádio e televisão através de um cristal de quartzo pelo chamado ruído branco.

 

ÁREAS DE ATUAÇÃO

  • Para o Ser Humano: identifica desajustes físicos e emocionais e auxilia na recuperação dos clientes, potencializando os efeitos positivos de outras terapias.
  • Na Odontologia: tem sido utilizado com sucesso no auxílio a não rejeição em implantes dentários e outros tratamentos.
  • Em Animais: veterinários estão utilizando o QUANTEC para manter os seus animais saudáveis, auxiliar no tratamento de enfermidades e prevenir comportamentos indesejáveis.
  • Na Agricultura Orgânica: ajuda o agricultor orgânico no seu programa biológico.
  • Nas Organizações e Empresas: muitas empresas e consultores estão utilizando o QUANTEC com sucesso na harmonização de ambientes, melhorando as suas freqüências.

 

DIFERENCIAIS

Funciona a distância: sua atuação é constante e o cliente não precisa se deslocar para usufruir dos benefícios do QUANTEC.

  • É sutil: sua ação é na consciência e na energia da pessoa, as modificações acontecem, as sensações de bem estar aparecem e o cliente não costuma ter desconfortos.
  • Possui uma área de abrangência ilimitada: as pessoas, animais, plantas ou locais específicos podem ser tratados independente do local e distância em que se encontrem.

 

RECONHECIMENTO DO QUANTEC

Em maio de 2010, o QUANTEC foi agraciado com medalha de ouro pelo seu “Sistema de Biocomunicação Instrumental” como melhor e mais criativa inovação no setor de progresso da saúde.

O prêmio foi concedido por um júri composto por cientistas de diversas Universidades da Rússia e Ucrânia, Ministérios e Institutos Privados num evento realizado na península da Criméia.

 

 

Helge Detlev Pantzier pratica radiestesia há mais de 40 anos. É ex-professor de radiestesia no curso de Naturologia Aplicada da Unisul – Campus Pedra Branca. Atualmente ministra a cadeira de Radiestesia no curso de Naturopatia nas Faculdades Estácio de Sá – Campus São José, SC – e faz atendimentos com o Quantec.

 

 

(Crédito da imagem: my-quantec.cl)

Anúncios

Hipnose e auto-hipnose

 

Por Fernanda Bonemann

 

A hipnose se define como “um estado de concentração no qual a mente fica mais clara, eliminando toda a negatividade. Nele as sugestões se realizam com uma potência muito maior que a possível em condições normais”.

A pessoa hipnotizada “desliza” a mente em todas as outras áreas da experiência, facilitando o processo sugestivo. No fundo, toda hipnose é uma auto-hipnose. O terapeuta pode colaborar em induzir ou dirigir o transe, mas, sempre é o próprio sujeito que está no comando.

A hipnose é usada para facilitar o processo da terapia, no sentido de estabelecer o equilíbrio em relação aos traumas, conflitos e outras alterações mentais. Através dela, a regressão de memória é conduzida, na qual a pessoa poderá lembrar todos os fatos marcantes da sua vida, desde a idade intra-uterina e até dados dos antepassados.

Durante o estado hipnótico, as sugestões vão direto ao subconsciente. Neste momento, pode-se controlar aspectos internos que normalmente estão fora do alcance da consciência. Com isso, é possível produzir mudanças químicas, físicas, psicológicas e emocionais, e ainda auxiliar nas modificações de comportamento.

Trata-se de um estado em que funções cerebrais se adaptam, provocando um estado alterado de consciência posicionado entre o sono e a vigília. A pessoa não adormece; apenas, ao relaxar, provoca a sintonia das atividades dos hemisférios cerebrais, alterando o processo de consciência e permitindo uma abordagem direta do subconsciente.

Costuma-se comparar a hipnose com o estado em que uma pessoa, principalmente crianças e adolescentes “viajam para o mundo da lua” ou em que está com a atenção focada em algo que “desliga” de tudo à sua volta.

Durante a hipnose, há o aumento da capacidade de pensamento dedutivo do cliente, que fica mais aberto para modificar crenças pré-existentes. Os exames no cérebro mostram que isso está relacionado à ativação do giro do cíngulo à direita, localizado no sistema límbico.

Através da hipnose é que se processa a regressão, na qual a pessoa é conduzida a reviver os acontecimentos passados.

Não podemos considerar a hipnose, só por si, um tratamento, mas sim, um meio de administrar um tratamento, uma forma de complementar e agilizar. Naturalmente que isso implica que o terapeuta que utiliza a hipnose tenha perfeito conhecimento do estado ou do problema que pretende recuperar e dos princípios ou técnicas que pretende aplicar. É necessário ter conhecimento das técnicas de harmonização e equilíbrio para auxiliar na recuperação do cliente. Em virtude do relaxamento hipnótico ser tão relaxante e reconfortante, é extremamente útil no tratamento dos estados de ansiedade, angústia e depressão.

Indicado para inúmeros desequilíbrios e problemas emocionais e psicológicos de várias ordens.

A pessoa somente será hipnotizada se consciente e subconscientemente, tiver um motivo ou necessidade, aceitar e permitir.

A aplicação da hipnose não se dá ao gosto do cliente, mas de acordo com o terapeuta.

Por natureza, todas as pessoas são hipnotizáveis, mas não pelas circunstâncias. Além de algumas alterações neurológicas que impedem a hipnose, como distonia, dessincronia ou outras alterações ou lesões, ela só ocorre da seguinte forma: 50% das pessoas são hipnotizáveis de imediato; 30% por cento, com correção dos preconceitos, dos medos e com aplicação durante algum tempo de técnicas de relaxamento; os outros 20% não têm um motivo ou necessidade de hipnose, ou, por alguma alteração neurológica, não é aconselhável.

Uma das vantagens de sua utilização na terapia reside na habilidade de utilizar-se dos extraordinários recursos da mente subconsciente, permitindo um acesso maior aos recursos e recordações do subconsciente.

Portanto, conhecer o mecanismo de ação, as indicações e a aplicação das técnicas de harmonização são um importante meio de ajuda psicoterapêutica, através da hipnose.

 

 

Fernanda Bonemann é psicoterapeuta. Graduanda em Naturologia Aplicada. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: hipnose-regressão.blogspot.com)


Aprendendo com os animais

Por Daiana Strada

 

Há algum tempo, uma cliente minha me falou da Experiência Somática. Anotei o site para dar uma olhada, pois tenho uma curiosidade geminiana. Hoje, compartilho com vocês um pouco do que aprendi sobre o tratamento de traumas. Observando os animais…


A Experiencia Somática – SE (Somatic Experiencing®) é uma abordagem naturalista e inovadora para o tratamento e cura de trauma. Foi fundada pelo norte-americano, Peter Levine, Ph.D, doutor em Biofísica Médica e Psicológica.

Levine observou o comportamento dos animais selvagens em seu hábitat e percebeu que mesmo sendo ameaçados com freqüência, raramente se traumatizam. Isso porque os animais possuem habilidades inatas e instintivas de auto-preservação, tendo mais facilidades para se livrar do stress rapidamente. Assim, retornam a vida normal mesmo após experiências traumáticas.

Nós também possuímos estas habilidades, porém a parte “racional” do nosso cérebro, a inteligência cognitiva, inibe estes instintos, impedindo a liberação de energia do trauma que permanece no corpo. Os sintomas do trauma não são causados pelo evento ameaçador em si. Eles aparecem quando a energia ativada no organismo no momento do choque não é liberada pelo corpo. Esta energia permanece no sistema nervoso, onde pode provocar danos ao nosso corpo e nossa mente.

Diante de uma situação de confronto com algo ou alguém podemos encarar a luta ou fugir. Mas quando não temos essas possibilidades surge uma última opção biológica para sobrevivência que é o congelamento. Nos desligamos da situação para não sentir a dor que poderia ser muito grande para suportarmos. Nossa fisiologia inteligentemente ajuda-nos a afastar nossa consciência das sensações corporais, fazendo com isso que percamos também a percepção do acontecimento traumático. Podemos não lembrar de nada, porém sintomas repetitivos ou doenças contínuas vão tentar nos chamar atenção de que algo está errado, segundo Poonam.

O SE emprega a conscientização das sensações corporais para ajudar as pessoas na renegociação e cura dos traumas, ao contrário de revive-los, pois isso poderia re-traumatizar. Com o apropriado direcionamento da consciência para dentro das sensações corporais instintivas, a pessoa é capaz de acessar seus próprios recursos inatos de imunidade ao trauma, permitindo que a energia congelada seja liberada de forma gradual e segura. Quando estas energias são liberadas, as pessoas freqüentemente experimentam uma dramática redução, ou mesmo o desaparecimento, de seus sintomas traumáticos.

Os animais selvagens desenvolveram a habilidade de se libertarem deste excesso de energia. A chave para nós, humanos, dispersarmos os sintomas traumáticos encontra-se na nossa habilidade de espelhar os animais selvagens. O SE oferece uma maneira segura e gradual de ajuda para os sobreviventes de traumas desenvolverem habilidades próprias e naturais de eliminação do excesso de energia causado por eventos avassaladores. Visa a restauração da confiança do indivíduo em si mesmo, encontrando em seu corpo os “recursos” para renegociar o trauma.

Peter Levine publicou o best-seller “O Despertar do Tigre” com tradução em português, sobre Experiência Somática. O primeiro capítulo pode ser encontrado na internet.

Enquanto não compro o livro, estou observando a gatinha, arteira, aqui de casa, a Cuca. Apesar de ter sido abandonada, não apresenta qualquer dificuldade de sociabilização. E mesmo quando “brigamos” com ela, logo está afetuosa ao nosso lado, como se nada tivesse acontecido. Por que nós, humanos, não somos assim? Recebemos uma crítica, ou alguém é um pouco mais rude conosco e já ficamos chateados com dificuldade para perdoar. Acho que precisamos realmente observar mais atentamente os animais!



REFERÊNCIAS:

Experiência Somática. Disponível em: www.traumatemcura.com.br. Acessado em 07 de fevereiro de 2011.

SE Portugal. Disponível em : www.seportugal.com/trauma-e-cura/artigos/63-experiencia-somatica-a-cura-do-trauma. Acessado em 07 de fevereiro de 2011.

 

 

Daiana Strada é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: M.W.Hitaka_os dois gatinhos são adotados).


Florais de Bach – Perfil: Agrimony

 

Por Márcia Watanabe Hitaka

 

Sobre a terapia floral, aviso para os preguiçosos e incautos, aqueles que sempre aguardam milagres e a culpa é sempre do outro, atenção: “este remedinho das gotinhas” pode trazer confrontos emocionais em que a pessoa não suporte ver o seu lado negativo – a sombra. Portanto, arregace as mangas, coloque seriedade e se envolva durante o tratamento. Lembre-se: Muitas vezes, o processo da cura é tão ou mais dolorosa do que a própria doença. Mas asseguro que esta jornada é extremamente compensadora.

 

Para estar por dentro da terapia floral, veja os posts: Os remédios florais do dr. Bach, Florais de Bach: Rescue Remedy e Florais de Bach no dia-a-dia.

 

Para a formatação do perfil abaixo, utilizei como principal referência o livro da Dra Carmen Monari (2002).

 

PERFIL: AGRIMONY (AGRIMONIA EUPATORIA)

I-                   Pertence ao grupo dos que sentem sensibilidade a influências e opiniões.

 

II-                Indicação:

Aspectos negativos: estado mental turbulento; busca excitação com conseqüências perigosas; quando estressado, poderá refugiar-se no álcool ou nas drogas para atenuar a tortura mental.

Aspectos positivos: alegre, despreocupado, com um senso de humor refinado (sem fingimento); temperamento pacificador; genuinamente otimista.

 

III-              Qualidades da alma a serem trabalhadas: alegria, espontaneidade e paz.

 

IV-             Mensagem: é a essência que nos coloca frente a frente com o que somos, do confronto entre o nosso Estar e o nosso Ser, tira as nossas máscaras e faz com que assumamos o que estamos sentindo. É o espelho da verdade.

 

V-                Princípios a serem trabalhados:Viver e luz.

Viver: com a verdade e pela verdade, com plena consciência de seu real papel.

Luz: Amarelo-dourada, para maior percepção corporal, paz no coração e alegria de ser.

 

VI-             Simbolismo: As máscaras. Elas são usadas para as pessoas representarem, assumirem outros papéis. O uso errático faz com que haja perda da espontaneidade, pois faz tudo para agradar aos outros (e não à si) e isto o leva a um vazio interior, por não saber quem é ele mesmo.

 

VII-           Cuidados ou contra-indicações: nada consta na literatura consultada.

 

VIII-        Eis como identifico o crescimento do meu potencial positivo Agrimony:

“Agora sou mais honesto do que antes, comigo mesmo e com os outros, e tenho mais força para resolver os conflitos”. M.Scheffer

 

 

Alguns autores indicados:

JONES, T.W.H. Dicionário dos remédios florais do dr. Bach. São Paulo: Pensamento, 1998.

MONARI, C. Participando da vida com os florais de Bach. São Paulo: Roca, 2002.

SCHEFFER, M. Florais de Bach. São Paulo: Pensamento: 2007.

 

 

Márcia Watanabe Hitaka é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse: Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: jewishsearch.com)