Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Genética, hereditariedade e metafisica

  

Por Débora Pasquati

 

Para acompanhar os textos sobre Metafisica, leiam também os posts: Metafisica I, Metafisica II e Nova realidade de vida.

 

Diferentemente do que se acredita numa visão médico-científica de que o único modelo organizacional do corpo humano é a genética, a concepção metafísica nos traz a realidade de que apenas os genes compatíveis com a constituição interior de cada um vão se manifestar estampando no físico as particularidades da alma.

A metafísica não nega, de forma alguma, o fato de que todas as pessoas herdam os genes de seus pais, os quais são necessários para a constituição biológica. No entanto, não pode admitir, assim como a genética o faz, de que essa carga genética é o fator exclusivo e determinante das características fisiológicas apresentadas no corpo físico de uma pessoa.

Na visão metafísica, o corpo humano é organizado por uma consciência não desperta, que deixa intrínseca na alma uma estrutura organizacional das células desde sua formação embrionária. Nessa mesma visão, a mutação genética é determinada pelas condições do espírito reencarnante e não apenas por fatores físicos e externos, como acreditam aqueles que não consideram o princípio básico e inquestionável da reencarnação.

As profundas afinidades que existem entre os membros de uma mesma família são, primeiramente, perceptíveis pelo simples fato de estarem vivendo juntas um planejamento de vida. Essas afinidades são expressas no corpo revelando tanto aspectos positivos, como os potenciais e habilidades semelhantes, como os negativos que aparecem em forma de doenças hereditárias ou congênitas.

Nem todos os filhos de pais com uma doença caracterizada como genética, pela ciência médica, apresentam a mesma em seus corpos, evidenciando de que a hereditariedade não é o fator determinante e que de fato existem fatores individuais que, somados aos genéticos, determinam as condições nos corpos físicos.

Somos resultados de nossa condição inata que nos atraiu para uma família geneticamente compatível, para que se torne possível estampar no corpo as características condizentes com nossa própria estrutura interna, para que então possamos passar pelas experiências necessárias para nossa evolução.

Que fique então bem claro para aqueles que querem desenvolver sua consciência metafísica de que nem mesmo a genética pode ser responsabilizada por suas doenças, pois sempre existirá uma condição pessoal de responsabilidade do próprio doente, mesmo nos casos de doenças congênitas, quando os doentes em questão, são ainda apenas crianças.

 

 

Todo esse conhecimento metafísico você pode encontrar com mais detalhes nos quatro volumes da Coleção “Metafísica da Saúde”, dos autores Valcapelli e Gasparetto, da Editora Vida e Consciência. Livros os quais devem existir em todas as casas das pessoas que estão dispostas a tomar as rédeas das próprias vidas e deixar de apenas ir sobrevivendo um dia após o outro sempre procurando alguém ou algo para responsabilizar pelos seus próprios infortúnios e tristezas.

 

 

Débora Pasquati é naturóloga. Desde 2009 vem incorporando a Metafísica em seus atendimentos. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: artigonal.com)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s