Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Arquivo para setembro, 2011

Pedras IV: Algumas pedras e suas indicações

 

Por Márcia Watanabe Hitaka

 

Leia também os posts: A energia das pedras e os chakras, Escolha, limpeza e energização e Acessórios no dia-a-dia.

 

Atendendo a solicitações, escrevi este post como uma consulta rápida para determinados temas, como amor, sucesso, proteção, etc. De antemão, peço desculpas aos geólogos, que talvez se arrepiem com a terminologia utilizada popularmente nas lojas comerciais. Esclareço que os autores por mim pesquisados dão enfoque a parte energética e ao aspecto sutil de cada pedra/mineral, e não a parte morfológica, técnica e de formação dos minerais.

Coloco para cada tema, várias opções. Para a escolha da sua pedra, dentre as opções sugeridas, é interessante ler, pesquisar, procurar conhecer a sua cor, formato, quais outras indicações e características que possui, e principalmente, intuir.

Assim como vocês, também estou aprendendo, tendo dúvidas e fazendo a minha lista. Lista aliás, que não pára de crescer, dá vontade de ter todas, sejam roladas, brutas, em jóias…

 

Para atrair…

  • o amor: Esmeralda, Magnetita, Morganita (e conservá-lo), Pirita, Quartzo-Rosa, Rodocrosita,  Topázio-Rutilado, Turmalina cor-de-rosa;
  • riqueza e prosperidade: Aventurina, Azeviche, Cinábrio, Citrino, Cornalina, Crisoberilo, Diamante, Fluorita-Ítrica, Malaquita, Olho-de-Falcão, Ouro, Pedra-do-Sol, Pirita, Safira-Amarela, Topázio, Turmalina-Verde, Turquesa.

Para amenizar…

  • a ansiedade: Ágata Rendada Azul, Água-Marinha, Amazonita, Ametista, Apofilita, Aragonita, Berilo, Calcita-Azul, Calcita cor-de-rosa, Calcita-Alaranjada, Calcita-Amarela, Cianita, Crisocola, Crisoprásio, Dolomita, Esmeralda, Fluorita-Azul, Howlita,  Kunzita, Larimar, Magnesita, Pedra-da-Lua, Pirita, Quartzo-Rosa, Quartzo-Rutilado, Smithsonita, Topázio, Turmalina-Melancia,  Turmalina-Verde, Uvarovita;
  • o cansaço e esgotamento mental: Ágata Rendada Azul, Ametista, Ametrino, Apatita, Aragonita, Caroíta, Citrino, Crisocola, Epidoto, Jade, Jaspe, Lápis-Lazúli, Micas, Pietersita, Pirolusita, Quartzo-Lavanda, Quartzo-Rosa, Rodocrosita, Rubi, Topázio-Imperial, Turquesa, Variscita, Zincita.

Para promover…

  • a autocura: Crisoberilo,Jaspe-Cobra, Pedra-do-Sol;
  • a concentração: Ágata, Ametrino, Aragonita, Calcita, Cianita, Citrino, Cornalina, Fluorita, Hematita, Obsidiana-Mogno, Quiastolita, Safira, Zoisita;
  • a criatividade: Ametrino, Apatita, Calcedônia, Citrino, Cornalina, Crisocola, Diamante, Espinélio-Laranja, Estilbita, Fluorita-Amarela,  Fluorita-Azul, Jaspe, Labradorita, Magnesita, Obsidiana-Preta, Opala, Pedra-do-Sangue, Pirita, Quartzo-Verde, Riólito, Selenita, Turmalina-Marrom, Turmalina-Verde, Ulexita, Zoisita;
  • a energia: Ágata-de-Fogo, Apatita, Caroíta, Calcita-Laranja, Calcita-Vermelha, Cerussita, Citrino, Cornalina, Espinélio-Vermelho, Fluorita-Azul, Granada, Idocrásio, Jade-Amarelo, Jade-Laranja, Pedra-Crisântemo, Pirita, Rubi, Topázio, Turmalina-Negra;
  • a harmonização do yin e yang: Ágata, Amazonita, Ametrino, Aventurina, Boji, Merlinita, Olho-de-Tigre, Ônix, Ulexita, Unakita;
  • a inspiração artística: Celestita,  Sodalita, Topázio;
  • a intuição: Água-Marinha, Amazonita, Ametrino, Dumortierita, Espinélio-Laranja, Estilbita, Iolita, Jaspe-Picture, Lágrima-de-Apache, Lápis- Lazúli, Moscovita, Olho-de-Gato, Pedra-da-Lua,  Pedra-do-Sol, Pedra-do-Sangue, Rodolita, Sodalita, Turmalina-Roxa,  Turquesa;
  • a limpeza da aura: Ametista (não deve ser usada em casos de paranóia ou esquizofrenia), Âmbar, Ametrino, Andradita, Caroíta, Diamante, Espinélio-Marrom, Fluorita, Jaspe-Vermelho, Quatzo-Fumê;
  • a limpeza dos chakras: Âmbar, Calcita-Laranja, Citrino,  Crisocola, Fluorita-Verde, Granada, Okenita, Serpentina;
  • o equilíbrio: Ágata-Musgo, Âmbar, Calcita-Laranja,  Celestita, Larimar, Turmalina-Verde, Turquesa;
  • o poder pessoal: Ágata- Musgo, Calcedônia-Vermelha, Calcita-Laranja, Citrino, Cornalina, Crisoberilo, Crisocola, Espinélio-Amarelo, Fluorita, Hematita, Larimar, Obsidiana-Preta, Olho-de-Tigre, Ônix, Opala-de-Fogo, Pedra-do-Sol, Peridoto, Pirita, Sodalita, Topázio-Imperial, Turmalina-Amarela, Zincita;
  • o sono tranquilo: Ametista, Calcedônia, Calcita-Alaranjada, Cerussita, Caroíta, Crisocola,   Heliotrópio, Howlita, Moscovita, Pedra-da-Lua,Turmalina-Verde, Variscita;
  • os trabalhos em grupos: Calcedônia, Caroíta, Citrino, Esmeralda, Fluorita-Amarela, Lápis-Lazúli, Magnesita,  Melonita, Quartzo-Azul, Quartzo-Neve, Quartzo-Rutilado, Rodocrosita, Rodonita, Sodalita, Sugilita,  Turmalina-Melancia.

Proteção…

  • para a casa: Citrino, Cornalina, Crisocola, Enxofre, Fluorita-Verde, Labradorita, Prehnita, Sardônix-Preto, Selenita, Turmalina-Negra;
  • em geral: Ágata-de-Fogo,  Água-Marinha, Âmbar, Ametista, Angelita, Azeviche, Barita, Citrino, Clorita, Coral, Cornalina, Estaurolita, Fluorita, Granada, Hematita, Jade, Jaspe,  Kunzita, Labradorita, Malaquita, Moldavita, Obsidiana, Olho-de-Gato, Olho-de-Tigre, Petalita, Pirita, Pirolusita, Quartzo-Enfumaçado, Quartzo-Rosa, Quartzo-Rutilado, Quartzo-Turmalinado, Quiastolita, Rubi, Sardônix-Preto, Selenita, Topázio-Imperial, Turmalina Negra, Turquesa;
  • contra energias invejosas: Ágata-de-Fogo, Barita, Cornalina, Labradorita, Obsidiana-Floco-de-Neve, Obsidiana-Preta, Olho-de-Falcão, Olho-de-Tigre, Pirolusita, Quartzo-Leitoso, Rubi, Turmalina-Negra;
  • contra ondas eletromagnéticas de celular: Amazonita, Aventurina, Diamante, Kunzita, Malaquita, Quartzo-Enfumaçado,Turmalina-Negra;
  • contra ondas eletromagnéticas de computadores: Barita, Fluorita, Kunzita, Lápis-Lazúli, Lepidolita, Malaquita, Quartzo-Enfumaçado, Sodalita, Turmalina Negra;
  • contra ondas eletromagnéticas de televisores: Unaquita;
  • contra irradiações da terra e água: Barita, Cobre, Jaspe-Brecha, Malaquita;
  • contra magia negra: Barita, Esmeralda, Hematita, Obsidiana-Floco-de-Neve, Ônix, Peridoto, Turmalina-Negra;
  • contra o mau-olhado: Crisoberilo, Obsidiana, Quiastolita, Rubi, Turmalina-Negra;
  • contra os perigos dos mares: Água-Marinha, Cianita;
  • em viagens: Jaspe-Amarelo, Sugulita;
  • sensibilidade a mudanças meterológicas: Calcedônia, Cobre, Labradorita, Turmalina-Negra;
  • sucesso profissional: Âmbar, Citrino, Ouro, Quartzo-Rutilado, Turquesa.

(da esquerda para a direita, fileira superior:  Selenita, Turmalina-Preta, Lápis-Lazúli.

fileira inferior: Quartzo-Rosa, Cornalina, Olho-de-Tigre e Esmeralda).

 

 

Bibliografia consultada:

CUNNINGHAM, S. Enciclopédia de cristais, pedras preciosas e metais. São Paulo: Gaia, 2001, 2a ed.

HALL, J. A bíblia dos cristais. São Paulo: Pensamento, 2010, 3a.ed.

STARK, K., MEIER, W.E. Prevenções e cura com pedras. Rio de Janeiro: Robafim, 1998, 2a.ed.

 

 

Márcia Watanabe Hitaka é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: By MitHE).


Cantar, cantar, e…Cantar!!!

 

Por Fernanda Bonemann

 

 

Uma das formas de comunicação da voz é o cantar. E o canto é um dos mais eficientes meios de liberação emocional. Através dele, as emoções e sentimentos começaram a mostrar os reais desejos e a retratar a vida do ser humano. O cantar envolve três aspectos em seu desenvolvimento que são: a respiração – fonte de energia; a postura – saúde física e bem estar e a vocalização – descoberta e expressão dos sentimentos e emoções; além destas três temos também a melodia – que organiza várias funções cerebrais, além de também estimular sentimentos e emoções.

O canto possibilita uma melhora considerável na autoestima, autoconfiança, autovalorização e autoaceitação do indivíduo. É uma atividade prazerosa e, ao mesmo tempo, bastante eficiente no processo de facilitar a desinibição e incrementar o grau de ousadia necessário para qualquer tipo de exposição em público.

Existe uma grande diferença entre a voz falada e a voz cantada, o que possibilita um autoconhecimento e autodesenvolvimento através da música. O cantar é um dos caminhos para a auto-revelação.

A voz humana tem um poder enorme de expressão. Seja através da voz falada ou cantada podemos observar e sentir o sentimento e as emoções de cada pessoa. A voz cantada é bem diferente da voz falada, e através do canto a pessoa pode expressar seus sentimentos e liberar suas emoções.

No canto a pessoa se libera e percebe a si mesmo muito melhor. Os três elementos essenciais que são trabalhados na voz cantada (respiração, postura e vocalização) proporcionam o conhecimento do seu material vocal, corporal e psíquico.

 

Respiração: é a fonte de energia vital para a vida. Uma boa respiração conduz ao bom canto. Cada movimento corporal e respiratório está intrinsecamente ligado ao som, refletindo o estado interno desta pessoa, interferindo na expressão e na livre produção do som. Através do canto são expostos inúmeros sentimentos internos, sejam eles agradáveis ou desagradáveis, leves ou pesados,  de frustração ou de euforia, de tristeza ou de alegria. Quanto mais se respira, mais esses sentimentos são liberados e mais qualidades e nuances da expressão estarão presentes ao cantar. Começa aí, o processo de autoconhecimento e autodesenvolvimento.

 

Postura:está intimamente ligada a respiração. Boa postura é sinônimo de boa saúde e de bons hábitos, retratando a pessoa em suas relações pessoais; como se expressa a determinadas situações da vida. Se não temos boa postura, o canto/a voz também está sendo comprometido. O principal objetivo do preparo da postura é a consciência corporal que ela desperta. O corpo preparado e consciente está em harmonia com o meio, manifestando a disponibilidade para cantar.

 

 Vocalização: representa a postura da voz ao cantar. Este elemento é muito completo, pois nele estão ligados: a respiração, o corpo e a voz.

 

Ao descobrir e vivenciar o cantor, a pessoa cria rupturas dos desequilíbrios psíquicos e emocionais da antiga conduta pessoal, sendo possível para a reorganização do indivíduo, tornando possível o crescimento interior. É também através da música que as pessoas alcançam estados de consciência e subconsciência inexplicáveis. O pleno desenvolvimento do canto proporciona muitos afloramentos e por isso pode ser usado na terapia.

O ato de gritar é uma forma de eliminar as tensões do medo e tantas outras tensões. Em relação ao canto o efeito terapêutico é maior do que o grito, pois um adágio popular muito antigo diz: “quem canta seus males espanta”, sendo esse fato uma das maiores verdades.

Tanto o grito como o canto, são ótimos elementos terapêuticos e o canto é mais agradável para ser ouvido.

 

 

Quem canta seus males espanta.

 

“Cantar uma música. Soltar a voz, sem medo! Cantar e sentir seu corpo vibrar, da cabeça aos pés.

Escolha uma música que fale com você…

Se você esta feliz cante uma canção que faça seu coração sorrir, vibrar de alegria. Se entregue em cada palavra. Cante com amigos, junte um grupo daqueles mais festivos.

Bateu aquela saudade, transporte-se através da música. Você pode reviver um momento especial simplesmente cantando uma música marcante.

Mas, se a deprê parece que quer te pegar, coloque essa melancolia prá fora cantando aquela música que te faz chorar, que te emociona, traz todos os seus sentimentos pra região do peito. Cante com a alma. Traga toda a sua força neste momento. Depois jogue se numa cama e durma por horas. Vai ajudá-lo a recuperar-se. Ao acordar, mude o ritmo por algo mais animado.

Relaxe e cante. A música reduz o estresse…

Cantar reduz a ansiedade e aumenta o autocontrole.

O exercício de cantar fortalece a personalidade, sabemos que a voz é um instrumento revelador de nossa identidade e este exercício fortalece nossa autoestima e segurança.

Cante muito, cante com a alma, projete seus sentimentos mais íntimos em casa, nota tocada em uma canção. Sinta a música dentro de si.

Cante para passar o tempo, cante para exorcizar as dores, cante para agradecer as coisas boas que conquistamos diariamente, cante para louvar a Vida e Seja Feliz!!!”

 

 

Este poema retirei do blog: pensamentos e poesias e quem escreveu foi Luis Guilherme Campos Santos. (http://pensametosepoesias.blogspot.com/2011/07/quem-canta-seus-males-espanta.html)

 

 

Bibliografia do texto: Curso livre de Terapias Corporais e Biodinâmica – Professor Tarsizo de Oliveira. Catarsi: 2005.

 

 

Fernanda Bonemann é psicoterapeuta. Graduanda em Naturologia Aplicada. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Créditos da imagem: http://www.gettyimages.pt/Search/Search.aspx?contractUrl=2&language=pt-PT&family=creative&assetType=image&p=cantar).


Eu lhe mandei meu convite…

   

Por Daiana Strada

                                                                                 Eu lhe mandei meu convite,

                                                     a nota inscrita na palma da minha mão pela chama da vida.

                                         Não dê um salto gritando: “Sim, é isso que eu quero! Vamos em frente!”

                                           Apenas se levante em silêncio e dance comigo. (Montain, 2003, p. 17)

 


Para estar por dentro, leia antes o post  : A dança.

 

 

Viver de acordo com nossos desejos, de acordo com aquilo que acreditamos ser essencial e verdadeiro na nossa vida se traduz na nossa capacidade de dançar, de nos deixar levar pelo ritmo da vida.

Contudo, estamos sempre tentando ser mais. Mais bondosa, mais inteligente, mais magra, mais produtiva. Mas todos estes “mais” nos fazem dançar uma música que não é nossa.  E desta forma vamos nos ameaçando com a morte, sem descanso, sem tempo para olhar para dentro e perceber como estamos nos sentindo. O que precisamos neste momento? O que o nosso íntimo deseja?

E quando, depois de algum tempo refletindo, descobrimos o que queremos, pois bem, vem a segunda parte. Como colocar em prática os desejos da minha alma?

Por que não conseguimos apenas nos tornarmos nós mesmos no lugar de tentarmos ser algo mais? Porque achamos que ser nós mesmos seja suficiente.

Mas o que autora nos traz é que “[…] somos, em cada momento, capazes de sentir compaixão e estar plenamente presentes e inteiros em um relacionamento íntimo com nós mesmos, como mundo e com o Mistério; que somos tudo que precisamos ser pela nossa própria natureza; que o auto-aperfeiçoamento não é necessário; que não vivemos os mais profundos desejos da nossa alma com o objetivo de mudar quem somos, e sim com a intenção de ser que nós somos.” (Moutain, 2003. p. 24-25)

Devemos deixar aflorar nossa essência, mesmo quando as circunstâncias dificultem. Quando estamos chateados ou com medo, ou quando precisamos resolver situações complicadas ou entediantes. Mesmo diante de tudo isso, ainda assim saber qual é próximo passo, o que te norteia.

Não deixar o excesso de trabalho consumir todas as suas forças e tampouco se culpar quando as coisas não saírem da forma como gostaria. Aprenda a dançar, a se mover conforme a nota que lhe é apresentada.

 

 

                                         “Apenas se levante em silêncio e dance comigo”.

 

 

MOUTAIN, D.O.  A Dança. Rio de Janeiro: Sextante. 2003.

 

 

Daiana Strada é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Créditos da imagem: htpp//4bp.blogspot.com/-jSoiu6TIbEo/TcHmNLuJ_I/AAAAAAAAEhI/Vb-dTDzKUoU/s1600/88.jpeg).


Pedras III: Acessórios no dia-a-dia

 

Por Márcia Watanabe Hitaka

 

Para estar por dentro, leia os posts: Pedras I – A energia das pedras e os chakras e Pedras II – Escolha, limpeza, energização.

 

 

Difícil encontrar alguém que não use ou não se encante com as pedras e metais (ouro ou prata), sejam em brincos, colares, anéis, pulseiras. Ou então, como talismã e adorno para o lar ou ambiente de trabalho.

Pensando nisso, resolvi comentar neste post o significado energético de alguns acessórios e dos metais, ouro e prata.

 

Segundo Cunningham (2001), o anel é um circulo, simboliza a eternidade, a unidade, a reencarnação e o universo. Antigamente, estava associado ao Sol e a Lua. Abaixo, alguns trechos sobre as histórias que envolvem-no.

“[…] Os anéis ainda são aceitos como símbolo de casamento e outras uniões devido à sua associação com a eternidade. Todos os anéis já foram mágicos ou sagrados(…). Eles também foram relacionados com o zodíaco, o yin/yang e a Roda Mágica dos magos e Wiccanos. […] Usar um anel, num sentido mágico, amarra-o com poder e energia. Esse simbolismo de envolvimento com o anel era tão onipresente e aceito, que logo sofreram restrições religiosas e mágicas. Sacerdotes de várias divindades da Grécia e Roma antigas retiravam seus anéis antes de entrar nos locais sagrados. […] Pelo fato dos anéis manterem as energias no corpo, pensava-se também que inibiam a sua liberação […], devido a crença de que diminuíram os efeitos mágicos. Nos rituais espirituais em que nos abrimos para os seres superiores, os anéis poderiam bloquear esse processo, uma vez mais devido a sua qualidade restritiva. “ (2001, p. 72)

Ainda, segundo o autor, o dedo em que se coloca o anel tem um significado mágico. No indicador, é visto como poderoso. Pois, antigamente aplicavam-se ervas curativas com este dedo para reforçar a cura do corpo.

O dedo médio simplesmente é descrito como o dedo mais azarado para se usar anéis.

Já o dedo anular (anelar ou “seu vizinho”) pensava-se que continha um nervo que ia direto ao coração. Tradicionalmente, os anéis de compromisso, noivado ou casamento são usados neste dedo.

 

Cunninghan (2001), assim escreveu sobre outros acessórios/adornos:

“[…] Colares – O colar é simplesmente um anel longo usado ao redor do pescoço. Seus poderes e usos são muito parecidos com os do anel. Por serem geralmente usados próximo ao coração, trabalham as emoções ou atraem e reforçam o amor. Na Wicca contemporânea, as mulheres muitas vezes usam colares de pedras para representar a reencarnação e a Deusa. O uso de um colar de pedras aumenta suas energias porque você está se cercando com seus poderes. Assim, um colar é muito mais poderoso do que qualquer outra pedra usada separadamente. (p.73)

Brincos – Os brincos já foram usados para proteger as orelhas da negatividade e da doença. Mais tarde, se tornaram um símbolo da escravidão, pois os escravos tinham brincos definindo seu status. Eles são anéis usados nas orelhas. Perfurar os lóbulos para usar brincos é um costume antigo. A maioria dos pontos do corpo já foram perfurados por várias razões mágicas e religiosas através dos tempos. As orelhas foram as primeiras, junto com o nariz, que ainda o é na Índia(…). O folclore também está presente nessa prática. (p. 73)”

Ouro

“O ouro está intimamente ligado a divindades, principalmente a deuses associados ao Sol. Ao longo dos tempos, quando encontrado ou obtido por meio de troca, era muitas vezes, o material preferido para fazer imagens sagradas e decorar altares. Era também considerado a melhor oferenda às divindades.” (p.180)

Lendas citam o seu uso pelos Druidas, Magos e Wiccanos. Sua energia é classificada como “emissora”.

Mesmo hoje em dia, continua a indicar poder, símbolo de riqueza e sucesso.

Prata

A prata é o metal da Lua.  É o metal das emoções e do mundo psíquico. Segundo o autor, há pessoas que se sentem fatigadas ou emocionalmente acabrunhadas se a usarem durante a Lua Cheia. Caso isso ocorra, é sugerido o uso do ouro para equilibrar, ou remova-a.

Como também influencia o psíquico, quando usada, estimula a percepção extra-sensorial enquanto aquieta a mente consciente. Sua energia é classificada como “receptora”.

Cordões e pulseiras

Segundo Stark (1998), nos cordões e pulseiras, devido ao grande número de pedras, têm a faculdade de gerar um campo de energia especialmente vibrante, emanando alto grau de intuição.

Cristais e pedras brutas em geral

Para Stark, “[…] grupos de cristais e pedras brutas têm efeitos energizantes sobre o corpo e, colocados num recinto, animam toda a aura ao seu redor. Filtram influências negativas e por isso servem como pedras básicas de cura e meditação” (p. 18)

Pedras roladas

O autor indica o seu uso sobre o corpo, equilíbrio dos chakras, e para o uso diário no bolso, como pedra de cura e da sorte.

Esferas

Em relação às esferas, Stark afirma que “[…] As esferas tornam muito maior a energia das pedras. Elas irradiam energia para todos os lados e, por isso, são especialmente indicadas para serem colocadas em casa ou no local de trabalho”. (p. 18)

 

      ( sentido horário, iniciando com o pingente de Olho-de-Tigre, Amazonita, pulseira de Hematita e Citrino).   

  

 

Bibliografia consultada

CUNNINGHAM, S. Enciclopédia de cristais, pedras preciosas e metais. São Paulo: Gaia, 2001, 2a ed.

STARK, K., MEIER, W.E. Prevenções e cura com pedras. Rio de Janeiro: Robafim, 1998, 2a.ed.

 

 

Márcia Watanabe Hitaka é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

(Crédito da imagem: By MitHE).