Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Respiração: a essência da vida!

 

Por Fernanda Bonemann

 

A respiração reflete nosso estado físico, mental e espiritual. Todos os métodos que usam exercícios e técnicas de recuperação iniciam pelo treinamento da respiração adequada.

Desde a antiguidade, o estudo da respiração foi o centro de várias culturas. Os hindus chamam-na de prana, que significa literalmente “vida”, isto é, “força vital”. Os chineses chamam-na de chi, os polinésios de mana, os ameríndios de orenda, os antigos alemães de od e assim tantos outros povos deram uma grande importância para a respiração, tratando-a como uma energia vital.

Os relatos mais antigos sobre as investigações desta energia vital, pertence aos hindus, pois já existem menções sobre o prana em um dos quatro vedas. Os vedas são antigas escrituras hindus, que serviram de base para toda a filosofia e religiosidade da Índia. Segundo a tradição, os conhecimentos contidos nestes documentos foram revelações divinas recebidos por homens sábios chamados de rishis. Os vedas são datados de4.500 a 2.500 anos AC.

A respiração, completa e profunda, é a ferramenta mais completa para um bom funcionamento energético, fonte de uma saúde física e emocional equilibrada. São antigas as tradições que desenvolveram práticas para equilibrar essa energia dentro do corpo com o uso de respirações ritmadas e sincronizadas a movimentos corporais. Na Índia, encontramos o Yoga com o objetivo de equilibrar o corpo e a mente, através dos pranayamas, que são técnicas de respiração. Na China, o Tai-chi-chuan através de movimentos sincronizados com a respiração procura a captação do chi, que é uma energia mais sutil, que a nível físico, ao circular livre pelo corpo, harmoniza a circulação sanguínea e coloca todos os músculo e articulações para funcionar.

A respiração reflete a dinâmica de todo o nosso sistema corpo-mente, e a respiração é a chave para muitas recordações e afloramentos emocionais. A prática de respiração adequada e o uso de várias técnicas respiratórias como instrumento terapêutico é, portanto, fundamental para as terapias que visam o ser humano como um todo.

Um dos órgãos atingidos pelas couraças é o diafragma, que está ligado à respiração.

Na terapia biodinâmica, a respiração é vista como um indicador essencial daquilo que está acontecendo com o paciente/interagente, e com a expressão do seu estado emocional. O re-equilíbrio da energia emocional está intrinsecamente ligado ao reequilíbrio da respiração, por isso são considerados dois trabalhos inseparáveis. O ritmo respiratório relaxado constrói um senso de concentração. Consideramos que uma pessoa está voltada para si quando ela está ligada ao ritmo de sua respiração.

A respiração é a grande fronteira que sob o ponto de vista fisiológico separa domínios distintos que são atividades orgânicas subconscientes e a atividade voluntária. É impossível dar ordens diretas aos nossos órgãos internos, mas, o centro respiratório tem essa particularidade: além de funcionar de maneira autônoma como os outros centros vegetativos possuem o privilégio de ser comandado pelo consciente e colaborar com ele.

Os cientistas que estudam o comportamento humano atribuem a respiração da pessoa à sua qualidade de vida.

Animais e crianças ainda pequenas respiram corretamente e não precisam nem de orientação nem de ajuda para fazê-lo. Já os adultos, no entanto, tendem a apresentar padrões desorganizados de respiração, devido a tensões musculares crônicas, que distorcem e limitam sua respiração. Essas tensões são o resultado de conflitos emocionais que se desenvolveram ao longo do seu crescimento.

Os exercícios de respiração ajudam em conjunto com outros métodos terapêuticos a reduzir a tensão e restaurar o padrão respiratório natural. É preciso entender esses padrões de respiração natural e saber por que eles se desorganizam; é preciso aprender como liberar as tensões que desviaram o padrão respiratório natural.

A respiração normal, quando a pessoa está bem e tranqüila, ocorre com o ar sendo inspirado e expirado com tranqüilidade para baixo com a inspiração e para cima com a expiração. Com a inspiração, o diafragma se contrai e desce, permitindo a expansão dos pulmões quando eles inflam. Esta é a direção de menor resistência para a expansão dos pulmões. O abdômen se alarga através de um movimento para fora, para dar espaço ao movimento descendente dos pulmões. A pressão do diafragma também levanta as costelas inferiores, cujo movimento é acompanhado pela contração dos músculos intercostais. Mas a respiração mais relaxante é predominantemente abdominal, não tanto torácica. Nesta respiração, a pessoa toma o máximo de ar para um mínimo de esforço.

A respiração envolve uma ação do corpo todo; para os músculos pélvicos profundos que giram suavemente a pelve para trás e para baixo durante a inspiração, para alargar o ventre, e então a giram para frente e para cima, a fim de diminuir a cavidade abdominal durante a expiração. Este movimento da pelve para frente é auxiliado pela contração dos músculos abdominais.

Os movimentos respiratórios são como ondas. A onda inspiratória inicia fundo na pelve fluindo para cima até a boca, à medida que vai subindo, as cavidades largas do corpo se expandem para sugar o ar. Estas cavidades incluem além da pelve o abdômen, o tórax, a garganta e a boca. A garganta é especialmente importante; se a pessoa não a expandir na inspiração não poderá respirar profundamente. O problema é que em muitas pessoas a garganta está oprimida ou contraída para abafar sensações e sentimentos, particularmente a necessidade de chorar ou pessoas que não conseguem falar o que sentem.

A respiração está vinculada a voz. Para produzir um som, a pessoa precisa deslocar o ar através da laringe. E durante a emissão de um som se pode perceber a forma de respirar. Portanto, o respirar e o falar estão intimamente ligados, toda limitação no falar altera a liberdade de respirar adequadamente a essência da vida.

 

Bibliografia consultada

Apostilas do Curso Livre de Terapias Corporais e Biodinêmica – Professor Tarsizo de Oliveira. Catarsi:2005.

 

 

Fernanda Bonemann é psicoterapeuta. Graduanda em Naturologia Aplicada. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: http://www.gettyimages.pt/detail/97612553/PhotoAlto-Agency-RF-Collections).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s