Espaço Naturológico | Terapêutico | Preventivo

Arquivo para novembro, 2011

O uso de terapias complementares durante a gravidez

 

Por Daiana Strada

 

 

A gravidez é um momento mágico para toda mulher. Um sonho para muitas e uma surpresa para outras. Não podemos negar o milagre da formação de uma criança no ventre de uma mulher.

Mas é também um momento de muitas transformações, tanto físicas quanto emocionais.

Para a futura mamãe passar por todas essas mudanças da forma mais tranqüila quanto possível, existem várias terapias complementares para auxiliá-la e que não prejudicarão o bebê. Bem pelo contrário, já que todas as emoções que a mãe sente passam para a criança.

Uma das queixas mais comuns é a dor lombar. O eixo gravitacional da mulher vai se modificando com o avanço da gravidez e forçando a região lombar. Com a chegada do bebê estas dores nem sempre aliviam, pois ao carregar a criança esta mesma região continua sendo exigida. Massagear o local promove relaxamento muscular aliviando as dores. Melhor se esta massagem for feita por outra pessoa, preferencialmente um profissional, como naturólogos ou fisioterapeutas. Mas sabemos que nem sempre é possível receber uma massagem, portanto, a pessoa pode realizar a auto massagem, pressionando com o polegar os locais mais doloridos por 30 segundos, liberando a tensão, como também, movimentos circulares com as mãos e polegares.

Esta massagem pode ser realizada com óleo vegetal puro de rosa mosqueta, encontrado em farmácias. Assim, estenda a massagem das costas para o abdômen com movimentos suaves, hidratando a pele. Este óleo é ótimo para evitar as estrias e a flacidez decorrentes da gravidez. Pode ser utilizado todas as noites antes de dormir. Você unirá dois benefícios: a massagem para a dor nas costas e a hidratação da pele, essencial nesta fase.

Para deixar esta massagem ainda mais terapêutica recomendo o uso do óleo essencial de Lavanda (lavandula officinalis e/ou angustifólia), um dos poucos que podem ser usados durante o período.

Mas antes é necessário entender que existe uma grande diferença entre óleos essenciais e essências. Essências são apenas um perfume que usamos para aromatizar ambientes e às vezes usados em cosméticos, mas sem valor terapêutico algum. Já o óleo essencial é o extrato puro da planta. Para termos uma ideia, uma gota de óleo essencial equivale a aproximadamente 30 xícaras do chá da planta, portanto, cautela ao usar. Uma gota é o suficiente durante a massagem.

Os benefícios deste óleo são inúmeros.  Os mais pertinentes para o período da gestação são: analgesia (dores musculares e articulares, dores de cabeça e enxaqueca), calmante e sedativo (ansiedade, insônia, taquicardia e depressão). Restabelece o equilíbrio mental, eliminando pensamentos repetitivos e é usado para impaciência, ansiedade, estresse e esgotamento físico e metal.

Já as flores desta mesma planta que é conhecida comercialmente como lavanda ou alfazema podem ser usadas na forma de chá, tanto para tomar quanto para realizar escalda-pés, para aliviar o edema e dores das pernas e pés.

E temos ainda o uso de florais. Florais são essências vibracionais retiradas de plantas que trabalham os nossos padrões emocionais. Existem diversos tipos de florais (Austríacos, de Minas, da Califórnia, etc.), um dos mais conhecidos são os Florais de Bach.  Em geral, os florais não possuem contra-indicações e podem ser tomados com uso concomitante com outros medicamentos, tanto por crianças quanto adultos, pois os florais agem no nosso campo energético. Os florais são manipulados em farmácias e devem ser tomados 4 gotas, 4 vezes ao dia, ou sempre que necessário. Na gravidez deve ser manipulado sem Brandy, que é o conservador da essência floral e que é dispensável em determinadas situações.

Os florais mais recomendados para este período são Walnut que traz adaptação para a nova situação e pode ser tomado após o nascimento do bebê. E Rescue para estados de ansiedade ou nervosismo, medo, raiva e outras emoções intensas, pois acalma o coração e traz clareza mental para ver as situações. Este floral deve ser tomado sempre que necessitar e também durante o trabalho de parto.

Mas enfatizo que é sempre importante procurar uma pessoa qualificada que poderá fazer as recomendações para cada caso. Isso é tanto para o uso de florais quanto de óleos essenciais, alongamentos e massagens. Pois cada mulher é única e terá uma gestação única, portanto necessitará de cuidados individualizados. Este é um momento de autoconhecimento onde uma mãe está nascendo.

 

 

Para saber um pouco mais sobre Florais, leia os posts:Os remédios florais do Dr. Bach, Rescue Remedy e Florais de Bach no dia-a-dia.

 

 

Para Aromaterapia, os seguintes posts: Fragrâncias no ar – Lavanda e Óleo essencial e Essência.

 

 

Daiana Strada é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: http://blogdagravida.wordpress.com/2009/06/06/sangue/waiting/)


Correlação entre personalidade e as preferências alimentares

 

Por Débora Pasquati

 


Leia também os posts: Metafisica I, Metafisica II, Nova Realidade de Vida, Genética, Hereditariedade e Metafisica, A doença sobre uma visão metafisica e Sistema Digestivo.

 

Partindo do pressuposto que nada nessa vida é por acaso, é importante perceber que sempre existe uma ligação direta entre as características pessoais de um indivíduo e a existência de rejeições ou preferências alimentares. Ou seja, analisando os hábitos alimentares de um indivíduo, é possível encontrar a expressão de sua personalidade, uma vez que existe um estreito vínculo entre essa e sua afinidade ou recusa por um determinado tipo de alimento.

O princípio básico do alimento é o de compensar o que não se encontra na realidade. Princípio esse que pode ser verificado quando na presença da angústia ou da depressão, entre outros sentimentos considerados frios, as pessoas tendem a procurar a ingestão de alimentos como sopas e bebidas quentes. Enquanto que, na presença de sentimentos considerados quentes, como o nervosismo e agitação, a procura alimentar se dá em direção àqueles alimentos que são servidos frios. Essa procura pelo oposto é uma tentativa inconsciente de suavizar o processo que está sendo vivido.

Algo semelhante ocorre quando se observa que uma pessoa muito estressada tende a procurar comidas de leve digestão enquanto que aquelas que estão vivenciando um período de marasmo costumam voltar das compras carregadas de alimentos picantes uma vez que estão, mesmo que inconscientemente, à procura de desafios e novos estímulos, características comuns aos alimentos apimentados ou muito condimentados.

O alimento preferido por cada pessoa é a reprodução de como se quer receber os acontecimentos da vida, ou seja, o que uma pessoa come tende a mostrar claramente como ela prefere que os demais venham até ela, mostrando como é o seu modo de acolher os acontecimentos e as pessoas. Em contra partida, tudo o que se repudia denúncia um bloqueio em relação ao que aquele tipo de alimento significa.

Quanto às pessoas que são muito seletivas em relação ao que se come fica explicitado a mesma seletividade em relação às pessoas com quem convive e com os acontecimentos da vida com os quais se envolve.

Também em relação à alimentação é possível perceber a gigantesca capacidade humana de criar com a mente. O simples fato de uma pessoa se achar fraca e acreditar não ter a capacidade de suportar os acontecimentos difíceis da vida cotidiana, já favorecem para que ela não se alimente de forma adequada, privando seu organismo de proteínas, vitaminas e sais minerais essenciais à manutenção de um corpo resistente e saudável. Com isso, ela acaba, por de fato, construir um corpo enfraquecido que possa então expressar claramente a fragilidade que antes era apenas psíquica e que agora está somatizada no corpo físico, podendo dessa forma usá-la como justificativa para o não enfrentamento dos acontecimentos de sua vida.

 

 

Todo esse conhecimento metafísico você pode encontrar com mais detalhes nos quatro volumes da Coleção “Metafísica da Saúde”, dos autores Valcapelli e Gasparetto, da Editora Vida e Consciência. Livros os quais devem existir em todas as casas das pessoas que estão dispostas a tomar as rédeas das próprias vidas e deixar de apenas ir sobrevivendo um dia após o outro sempre procurando alguém ou algo para responsabilizar pelos seus próprios infortúnios e tristezas. 

 

 

 

 

Débora Pasquati é naturóloga. Desde 2009 vem incorporando a Metafisica em seus atendimentos. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: http://lindas-flores.blogspot.com/2008/10/aucena.html)


Drenagem linfática facial com argila

 

Por Evellyn Stimamiglio Wagner

 

Com o passar dos anos, nossa pele sofre mudanças e envelhece. Sinais como linhas de expressão, flacidez, manchas, perda de elasticidade e luminosidade começam a aparecer, mas não apenas pelo passar dos anos, mas também pelos fatores internos (emocionais) e externos que contribuem para o envelhecimento precoce da pele, como o cigarro, radiação solar, poluição ambiental, estresse, má qualidade de vida, alimentação inadequada e falta de higiene e hidratação facial.

O cansaço diário reflete na pele do rosto e a tensão dos músculos da face prejudica o sistema linfático, podendo ser um fator acumulativo e cooperar para um envelhecimento precoce, além de aparentar uma expressão abatida e carregada.

 

A drenagem linfática facial tem benefícios e finalidades: preventiva, terapêutica e estética, podendo ainda ser uma aliada para conservar a tonicidade e prevenir o envelhecimento da pele, mantendo uma pele mais bonita e luminosa, pois com movimentos suaves, superficiais e lentos, as toxinas e líquidos retidos serão direcionados aos gânglios linfáticos ativados em certas regiões do rosto. Assim, estimula-se a circulação sanguínea, melhorando oxigenação dos tecidos e a nutrição celular. Essa técnica é indicada para promover a diminuição da acne, minimizar as olheiras (a drenagem linfática, por si só, não reduz a pigmentação das olheiras; e com essa técnica aliada à argila, o objetivo pode ser alcançado) e bolsas sob os olhos, no tratamento pré e pós-operatório de intervenção cirúrgica (hematomas e edemas), acelerar a cicatrização, além de estimular o sistema imunológico (defesa) e as trocas metabólicas. Após a massagem facial, tem-se um relaxamento muscular e uma sensação de bem-estar.

 

A argila é formada por silicato de alumínio ligados a vários outros oligoelementos como magnésio, ferro, cálcio, sódio, zinco e lítio que, ao entrar em contato com a pele favorecem reações que auxiliam na transferência de íons minerais da argila para a pele, ou seja, permite a troca iônica que sustenta a ação mineralizante e, por isso, age de forma natural. Portanto, não é invasiva e nem provoca ruptura na integridade da pele. Este material entra no tratamento como terapia complementar para auxiliar em todas as indicações acima citadas. Como também provoca movimento de toxinas, seus efeitos são desintoxicantes e adstringentes.

 

O silício, presente na argila, tem como função, auxiliar na formação de colágeno elastina, promovendo maior resistência e elasticidade, proporcionando revitalização cutânea e aparentando uma pele mais jovem. Suaviza rugas e linhas de expressão, ajuda na remoção de manchas, regenera os tecidos da pele e deixa o organismo isento de radicais livres.

À principio, a drenagem linfática facial pode ser feita mais de uma vez por semana. Convém consultar um profissional, para a periodicidade, pois varia conforme o tipo de pele. Vale destacar que os efeitos da drenagem não são definitivos e variando de pessoa para pessoa, por isso, é relevante ter uma regularidade e/ou manutenção do tratamento para se ter resultados positivos. Salienta-se a ingestão de água para ajudar na hidratação da pele.

 

 

Referencias bibliográficas:

LOPES, M. L. M. Drenagem linfática manual e estética. Blumenau: Odorizzi, 2002.

MEDEIROS, G. M. da S. de. Geoterapia: teorias e mecanismos de ação: um manual teórico-prático. Tubarão: Unisul, 2007.
http://www.minhavida.com.br/conteudo/10353-drenagem-linfatica-facial-ameniza-linhas-finas-e-renova-a-pele.htm

http://www.guiagratisbrasil.com/o-que-sao-as-olheiras-e-quais-seus-tratamentos/

http://situado.net/drenagem-linfatica-facial/

http://www.tuasaude.com/rejuvenecer-com-silicio-organico/

 

 

 

Evellyn Stimamiglio Wagner é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem:

http://www.seferpilates.com.br/servicos/drenagem-linfatica-facial/attachment/drenagem-linfatica-facial-3/)

(Crédito da imagem com a argila: www.rodriguesalves.com/ )


Florais de Bach – Perfil: Beech

 

Por Márcia Watanabe Hitaka

 

“Devemos ser mais tolerantes, indulgentes e compreensivos quanto as diferentes formas pelas quais cada indivíduo e cada coisa trabalha pela sua perfeição final”. Dr. Bach

 

 

Para estar por dentro da terapia floral, veja os posts: Os remédios florais do dr. Bach, Florais de Bach: Rescue Remedy e Florais de Bach no dia-a-dia.

 

Para a formatação do perfil abaixo, utilizei como principal referência o livro da Dra Carmen Monari (2002).

 

PERFIL: BEECH (Fagus sylvatica)

I-             Pertence ao grupo dos controladores.

 

II-            Indicação:

Aspectos negativos: Intolerância. Não tenta compreender ou fazer concessões às falhas alheias. Crítico. Irrita-se com os hábitos, maneirismos, idiossincrasias e gestos dos outros.

Aspectos positivos: Convicções fortes. Vontade de ser mais tolerante, amável e compreensivo com os outros.

 

III-           Qualidades da alma a serem trabalhadas: verdade, educação e poder.

 

IV-          Mensagem: Trabalha a tolerância e o discernimento. Floral para ser usado nos relacionamentos familiares ou profissionais, nos quais sofremos por intolerância ou implicância com alguns.

 

V-           Princípios a serem trabalhados: retidão do pensamento, fé e luz.

Retidão do pensamento: vencer toda a rigidez que bloqueia nosso Amor de se manifestar ao outro em forma de sabedoria.

Fé: Procurar sempre ver o lado belo da vida. Ser firme até atingir os objetivos.

Luz: Raio dourado da sabedoria, do Pai Universal para nós e para passarmos aos outros. E o raio marrom para transformamos nosso corpo físico, limpando tudo o que não gostamos em nós e quebrando a nossa rigidez de pensamentos.

 

VI-          Simbolismo: Mestres – Interiores e Exteriores.

Mestre Interior: é o trabalho de resgatar o contato com o nosso Pai Sábio, que nos ajudará em nossas decisões. O problema não está na intuição, mas sim em sua ação perante o mundo. No Beech, falta a consciência de sua atitude mental.

Mestre Exterior: o bom professor deve ter discernimento para passar o conhecimento, ter tolerância com os que aprendem.

 

VII-        Cuidados ou contra-indicações: nada consta na literatura consultada.

 

VIII-       Eis como identifico o crescimento do meu potencial positivo Beech:

“Consigo aceitar as situações sem deixar que elas me afetem. Posso contempla-las de vários ângulos, reconhecendo o lado positivo”. M.Scheffer

 

 

Bibliografia consultada:

JONES, T.W.H. Dicionário dos remédios florais do dr. Bach. São Paulo: Pensamento, 1998.

MONARI, C. Participando da vida com os florais de Bach. São Paulo: Roca, 2002.

SCHEFFER, M. Florais de Bach. São Paulo: Pensamento: 2007.

 

 

Márcia Watanabe Hitaka é naturóloga. Para conhecê-la um pouco mais, acesse: Profissionais.

 

 

(Crédito da imagem: http://www.edwardbach.org/therapy/remedyplants.asp?pagenameid=PP1BEE).